Home Contos Quando a mamãe está fora 🔥😈🤤💦

Quando a mamãe está fora 🔥😈🤤💦

61 min read
0
0
134

Você sabe como os caras brincam no trabalho, certo? Muita besteira é falada, muitas mentiras e meias verdades são contadas, afirmações ultrajantes são feitas e alguma diversão alegre é desfrutada por todos. Três de nós, caras do trabalho, nos divertimos com piadas, assim como em muitos locais de trabalho. A nossa foi: Quem pode fazer a pergunta mais ridícula, e quem pode superá-la dando a resposta mais espetacular.

Apenas coisas estúpidas, certo? Tipo, “Qual de nossas colegas de trabalho tem o melhor corpo?”, ou “Qual foi a mais jovem que você já pegou?” Um dia era “Quem você se recusaria a foder, mesmo que por um milhão de dólares?” Essas perguntas e outras sempre resultavam em respostas engraçadas e gargalhadas. Tipo, para a buceta mais nova, Francisco disse: “Sua irmã mais nova, quando ela tinha dez” para Bill. Para não ficar atrás, Bill disse que a única pessoa que ele recusaria foder (mesmo que por um milhão) era a sogra de Francisco.

Todos nós rimos muito, tanto das perguntas quanto das respostas estúpidas, até que um dia o jogo tomou um rumo sombrio. Bill disse, para ninguém em em particular, “De quem você mais gostaria de receber um boquete?” Francisco disse “Monica Lewinsky”, e num momento de distração eu disse “Meu filho fofo”.

Bill e Francisco olharam para mim, não com desgosto porque isso era tudo parte do nosso jogo, ou seja, respostas estúpidas, mas com um olhar interrogativo, como se quisesse dizer “Hmm… como isso pode realmente acontecer?”. Então Bill disse: “Sua esposa está na casa da irmã dela por uma semana, certo João?” Eu balancei a cabeça que sim em resposta.

“Acho que tive uma idéia…” ele refletiu, meio em voz alta. “Seu garotø chega em casa da escola, o que, três e meia?” ele perguntou. Eu balancei a cabeça novamente.

“Podemos sair daqui às três hoje, certo Francisco?” O homem assentiu. “Ok, é assim que vai acontecer, heh heh…”

Quando meu filho chegou da escola naquela tarde, ele foi confundido pela visão do seu pai (eu) vendado, amordaçado e amarrado a uma cadeira na sala de estar. Ele só teve tempo de dizer “Papai! O quê..!” antes que ele visse a arma na mão de Bill. É engraçado como as armas parecem maiores na vida real do que mostram na TV. Ao lado de Bill, num braço do sofá, havia uma câmera, configurada e pronta para gravar. Bill assumiu o comando. Ele acenou com a arma na direção do meu filho.

“Ok, garotø, o negócio é o seguinte. Se você correr, ou gritar, ou qualquer outra coisa estúpida como usar um telefone, seu pai aqui morre, entendeu. Certo?” A máscara de esqui que Bill usava o fez parecer ainda mais ameaçador, então meu filho acenou vigorosamente com a cabeça em conformidade. Seu corpinho rechonchudo tremia de medo.

“Tudo bem então. Vou fazer um pequeno filme hoje. Se você contar a alguém o que aconteceu aqui, esse filme é colocado na Internet para toda a sua escola e amigos poder ver. Entendeu?” Christian (meu filho) acenou com a cabeça em compreensão.

“Certo. Eu só preciso que você faça uma coisa, seu pai sobreviverá a isso e você também. A única coisa que você precisa fazer é o que eu disser! Entendeu?” Chris choramingou enquanto murmurava um fraco “s-sim, senhor”

“Exatamente como eu disse – sem perguntas ou hesitações. Então, fique de joelhos na frente do seu pai”. Meu filho caiu no chão e depois se arrastou para mim. Minhas coxas estavam separadas, então Chris poderia ficar bem entre meus joelhos abertos.

“Bom. Agora, abra o zíper das calças do seu pai.” Eu senti Chris se atrapalhar com meu zíper antes segurando e a puxando para baixo com cuidado.

“Muito bem. Agora puxe o pauzão do seu pai pela abertura. E não esqueça o que eu lhe disse sobre hesitar. Essa arma dispara bem fácil” Chris choramingou enquanto lutava para puxar meu cacetão de 20 centímetros grossos e duro como um porrete, puxando com dificuldade meu caralhão extremamente grosso e latejante através da braguilha da minha boxer e saiu para o campo aberto, mas ele corajosamente manteve o que foi exigido e dentro de alguns

segundos, pude sentir o hálito quente do meu filho perto do meu nervão necessitado.

“Tudo bem, garoto. Já chupou um pau antes?” Bill questionou ao meu filho.

Meu filho ajoelhado virou a cabeça na direção de Bill em estado de choque. “N-não, senhor! EU NUNCA!” ele declarou. Eu podia ouvir a indignação em sua voz, junto com com o susto.

“Bem, hoje é o seu grande dia então. Coloque a boca nessa maçaneta e não tire até que eu mande.” A voz de Bill não era de ser discutida, e Chris não discutiu. Ele estava com medo da arma de Bill. As próximas coisas que senti foi puro deleite quando os lábios carnudos e quente do meu filho se fecharam sobre meu nervão rígido e latejante, minha ferramenta minava pré-gozo descontroladamente. Eu gemi rouco loucamente.

“Ouviu esse barulho que seu pai está fazendo, garotø?” Bill perguntou a Chris. Sem tirar a boquinha carnuda e quentinha do meu caralhão gigante, Chris olhou em volta e deu um pequeno acenar. “Esse som diz que você está fazendo certo. Agora, eu não espero que seu

papai esteja gostando disso. Ele provavelmente está odiando cada minuto disso. Inferno, ele provavelmente quer me matar agora mesmo. Mas eu estou no comando, eu sou o monstro com a arma. Então você só precisa ter certeza de que seu pai continua fazendo esse barulho. Entendeu?”

Bill não esperou por uma resposta, quando meu filho começou a chupar famintamente meu caralhão extremamente grosso, como um bezerrinho desmamado. Eu senti sua boquinha sugando em volta do meu piruzão latejante, foi sublime. Bem naquele momento, eu não me importava se Bill atirasse em mim. Os lábios carnudos e a boca quente do meu filho eram tão

magnífico como eu esperava. Eu só queria poder ter passado os dedões através do cabelo sedoso de Chris, mas as cordas não permitiam isso.

Ouvi Bill puxar uma almofada do sofá e deixá-la cair no chão atrás de Chris. Os joelhos de Bill rangeram quando ele se ajoelhou na almofada, posicionando-se atrás do meu filho. “Mantenha essa boca no pauzão grosso do seu pai, garoto. Para cima e para baixo sem parar, esse é o caminho. Use um pouco de língua nesse cabeção também. Não se esqueça, a arma está bem aqui atrás de você”. Bill tirou a camisa de Chris da dobra e empurrou pelas costas, passando a mão livre pelas costas do meu filho e lados. Eu podia ouvir o som suave da sua mão áspera nas costas delicadas.

“Agora, continue chupando seu pai, garoto. Esse é um boquete muito bom, que você está dando a ele. Pena que ele não esteja em posição de apreciar isso. Eu vou me divertir aqui enquanto sua linda boca está ocupada. Não pare, ou você sabe o que vai acontecer.” Bill sussurrou no ouvido do meu filho. Ele estendeu a mão na cintura do meu filho e desabotoando o cinto, desabotoando as calças escolar ao mesmo tempo. Eu ouvi o zíper descendo, então pude sentir Chris balançando a cabeça freneticamente no meu caralhão monstruoso, enquanto Bill abaixava as calças e cuecas do meu filho até o chão, onde eles se reuniram em torno de seus joelhos. Eu senti o corpinho fofo de Chris estremecer novamente, enquanto Bill levantava primeiro um pequeno joelho e depois o outro para libertar suas roupas escolares de suas pernas nuas. Agora meu filho estava nu da cintura para baixo, exceto pelos sapatos e meias, que Bill não se preocupou em tirar.

“Você tem uma bunda redonda linda, garotø”, Bill sussurrou no ouvido do meu filho, assustando Chris ainda mais. “Continue chupando”, Bill acrescentou enquanto descompactava seu próprios jeans. Eu ouvi o som pesado do piruzão grosso e semi-duro de Bill, enquanto ele caiu nas nádegas rechonchudas do meu filho, fazendo meu filho estremecer novamente. Ele aninhou seus dezenove centímetros extremamente grossos, na fenda entre as bochechas rechonchudas de Chris e começou a esfregar para cima e para baixo, simulando a ação que ele estava prestes a iniciar. Ele alcançou a cintura de Chris para sentir os órgãos genitais do meninø e suspirou quando ele encontrou uma tesão dura.

“Parece que você está gostando muito de chupar seu papai, hein, garotø? Ou é porque você está esperando uma foda minha nesse furinguinho rosadinho e apertadinho?” Bill continuou seu ataque sussurrado os sentidos do meu filho. Ele chegou um pouco os quadris para trás, de modo que a cabeçona pulsante e babona dos seus dezenove centímetros de nervo grossão agora rígido, descansou bem no centro do botãozinho bicudinho e piscante do meu filho, então começou a trabalhar sua maçaneta por alí, seu pré-gozo lubrificou o ânus virgem do meu filho. Eu podia sentir Chris se contorcer toda vez que o caralhão de Bill acertava um golpe direto em seu pequeno e apertado furinguinho.

Sem avisar, Bill deu um aperto nas bolas imaturas do meu filho, e quando o meninø recuou contra o aperto de Bill, ele mergulhou seu pauzão grosso e latejante no buraquinho do meu filho, enfiando a cabeçona inchada e babona inteira na primeira tentativa. Eu pude sentir os gritos silenciosos de Chris em torno do meu próprio caralhão gigantesco, que estava se aproximando do orgasmo. Bill deu um grunhido de “Oooooooooh poooooorra, siiiiiiiiiiiim! Puta que pariiiiiiiiu huuuuuuuuum” e começou a foder meu filho violentamente, enquanto

ainda estava apertando intermitentemente o saquinho de bolas do meninø FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP Chris estava em uma situação difícil, com o rosto dele sendo fodido profundamente na gargantinha apertadinha pelo nervão gigantesco do pai e as entranhas minúsculas e extremamente apertadas sendo fodidas por um caralhão grossão do intruso mascarado FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP

Isso tudo foi demais para mim – Eu atirei jatos e mais jatos fartos da minha carga gosmenta e fervente em sua boca. Chris tossiu com a intrusão volumosa, quente e viscosa. Um pouco do meu esperma cremoso saindo de seu nariz como um catarro. Bill grunhiu de novo como um animal, enterrando seu caralhão latejante profundamente no buraquinho arrombadinho e jorrando como um animal fecundando uma fêmea no Cio. Bill puxou suavemente seu cacetão molhado e latejante, fechou o zíper e, como despedida, disse ao meu filho “Você é uma boa foda, garotø. Não se esqueça, se eu ouvir alguma coisa de polícia, você saber o que vai acontecer com este vídeo. Você pode desamarrar seu pai assim que eu for embora.”

Ouvi o barulho da porta da frente batendo. Chris nem se preocupou de puxar as calças para cima, enquanto ele desfazia minhas cordas e tirava a venda dos meus olhos. “Ah, papai, me desculpe, mas eu tive que fazer isso, ele… ele me obrigou!” Segurei meu filho nos braços e o consolei, dando tapinhas em seu traseirinho nu.

“Você está ferido, filho? Ele machucou você… lá atrás?” Eu perguntei gentilmente.

“Ooooh, papai, não dói muito, é meio… quente, sabe?” ele choramingou.

“Você quer que o papai verifique para você? Antes de ir tomar banho e lavar o esperma desse homem horrível de você?”

Chris deu um pequeno soluço. “Siiiiim, papai”, ele concordou, girando no meu colo para revelar seu traseiro nu. Empurrei a camisa dele para cima, não que eu precisasse e acariciei a parte inferior das costas e as nádegas perfeitas de Chris.

“Assim tá bom, querido?” Eu perguntei a ele.

Chris empurrou sua bundinha para cima para encontrar minha mãozona acariciando. “Siiiiiiiim, papai, tô começando a me sentir… não tão ruim agora.” Separei os dois deliciosos globos da sua bundinha empinada e olhei para o pequeno ânus dilatado, vermelhinho e inchadinho do meu filho. Um pouco da porra cremosa de Bill foi começando a vazar, então espalhei em torno de seu botão de rosa arrombadinho com a ponta do dedão, fazendo Chris se contorcer. “Desculpe, Chris, doeu?” Perguntei solícitamente.

“Não, papai, não exatamente machucado, é só um pouco… macio, tipo… parece… meio quente quando você faz isso” O garoto esticou-se no meu colo como um

felino satisfeito no Cio, enquanto eu cuidadosamente cutucava seu buraquinho arrombadinho e esporrado. Chris falou novamente. “Ele…ele também agarrou minhas…uh, bolas, papai”, meu filho falou.

“Ele fez isso? Que homem mau! Venha então, vire-se e vou ver se ele fez isso qualquer dano a elas.” Eu respondi, com minha voz mais séria. Chris entrou meu colo e apresentou sua virilha ao meu olhar. Eu brinquei com as bolinhas dele por alguns minutos, verificando, enquanto a ereção de Chris aumentava lentamente e enrijeceu.

“Ele… me agarrou lá também, papai” ele sussurrou.

“Agarrou você onde, filho?” Eu perguntei falsamente.

“Meu… meu pipiu, papai” ele respondeu timidamente.

“Seu pênis? Ele machucou seu pênis?” Eu perguntei seriamente.

“Bem, ele… ele tocou. Talvez você devesse verificar, para… ter certeza de que está ok?” Eu não precisava de mais incentivo. Fiz cócegas em suas bolinhas com uma mãozona, fiz uma inspeção muito próxima e precisa do seu agora totalmente erguido piruzinho com a outra. Chris suspirou enquanto eu lenta e cuidadosamente masturbei ele, ainda muito jovem para ejacular, mas não muito jovem para se sentir bem. Seus quadris empurraram para cima do meu colo enquanto ele gozava seco, suspirando alto.

Sorri benignamente para meu querido filho. “Tudo bem, Chris, vou dar um banho quente em você, então depois vá para a cama. Amanhã decidiremos o que fazer.”

O alarme brilhou no rosto do meu filho. “Fazer? O que você quer dizer, papai? Você não pode fazer qualquer coisa! Aquele homem disse que colocaria aquele vídeo na Net! E ele disse que machucaria você! Atirar em você com a arma dele!”, exclamou meu filho.

“Bem, vamos conversar sobre isso amanhã. Vamos em cima, vou tirar esse leite cremoso que ele vomitou profundamente no seu buraquinho apertado e eu lhe darei um banho. Vou me certificar de limpar cada pedacinho daquele homem horrível de você”.

Juntei as roupas do meu filho e coloquei minha mãozona em sua bundinha nua, gentilmente

empurrando ele escada acima em direção ao banheiro. Eu tinha certeza de que ele estava inclinando de volta contra minha mãozona. Bem, uma boa lavagem completa num banho quente ajuda.

Não sei se algum leitor já lavou um cuzinho esporrado e dilatado de 12A em uma banheira antes – não é diferente de lutar contra uma enguia gigante e escorregadia! Eu primeiramente abri suas bochechas rechonchudas e expliquei: “Filhote, papai vai ter que sugar o esperma que aquele monstro injetou profundamente no seu buraquinho. A única maneira é com a força da minha boca, senão não vou conseguir tirar tudo de você… Você confia em seu papai, filhote?

“Siiiiiiiiiim papai tira isso de dentro de mim, por favorziiiiinho” ele disse arreganhado as bochechas rechonchudas e aguardando minha bocona. Eu quase tive um ataque cardíaco de tanto tesão. Caí com o bocão aberto em seu botãozinho bicudinho e inchadinho, sugando famintamente como um bezerrão desmamado. O esperma descia pela minha garganta ainda quente das suas entranhas. Meu filho gemia descontroladamente e rebolava na minha boca, enquanto eu sugava e linguava ferozmente seu buraquinho arrombadinho.

A certa altura eu parei de chupar seu botãozinho cheio de leite e coloquei o chuveirinho dentro dele para lavar perfeitamente. Recebi tanta água espirrada do cuzinho dele! Lavei cuidadosamente cada parte do corpinho bonito do meu filho, prestando atenção a todos os detalhes interessantes. Eu acariciei Chris até um orgasmo de arrepiar os joelhos no final de sua lavagem, enquanto ele se levantava na banheira com as mãos nos meus ombros. Eu peguei seu corpinho pingando em meus brações musculosos e o coloquei no tapete do banheiro para secá-lo. Grandes e fofas toalhas são populares em nossa casa; logo eu o mandei correndo seco, nu e rindo para o seu quarto.

Eu o segui até lá depois de pendurar a toalha. Ele estava colocando seu short de dormir, uma peça de roupa macia e de algodão que ele mesmo escolheu na seção de moda masculina da loja de departamentos.

“Papaaaai”, ele começou, depois de subir para debaixo das cobertas. “O que você vai fazer sobre… você sabe…”

“Sobre o homem que invadiu nossa casa? Bem, acho que deveríamos ir a polícia. Você não iria querer que ele atacasse outro garoto, não é?”

“N-não, mas… ele tinha uma arma, papai! E se ele machucar você?”

“Bem, ele não virá atrás de mim se não souber que fui à polícia… Que tal isso para ter uma idéia – vou ligar para a delegacia e perguntar para que mandem um detetive – assim, se o homem estiver vigiando delegacia, ele nunca nos verá entrar lá!”

Chris ficou pensativo por um momento, depois balançou a cabeça relutantemente de acordo. “Contanto que eu não perca você, papai.” Meu filho fechou os olhos e sua respiração desacelerou. Ele teve um grande dia. Beijei sua testa e saí deixando ele em paz.

No dia seguinte recebemos o detetive Francisco em nossa casa. Chris parecia nervoso ao ver outro estranho em nossa casa, logo após o homem mascarado, mas eu garanti a ele que Det. Francisco era nosso amigo e só queria nos ajudar.

“Agora, Chris, não há necessidade de ter medo”, Det. Francisco explicou. “Eu sou o único

aqui para ajudar você e seu pai. Mas para fazer isso, preciso de todas as informações sobre esse homem horrível que puder. Então, você pode simplesmente passar o que aconteceu, desde quando você viu o homem mascarado pela primeira vez. Eu preciso especialmente saber o que ele disse e fez, e o que ele obrigou você a fazer, ok?

Chris assentiu com cuidado. “Sim, senhor”, ele sussurrou. “Primeiro, ele me fez, hum, ajoelhar no chão, hum, na frente do meu pai.”

“Ok, vamos começar por aí. Para ter uma idéia concreta do que aconteceu, eu faço o papel de seu pai agora. Dessa forma eu vou ver e sentir todas as coisas horríveis que aconteceram.”

“Sim, senhor”, Chris concordou, ajoelhando-se no chão entre as coxas abertas do Det. de Francisco. “Hum, primeiro ele me disse para abrir o zíper das calças do papai.”

Det. Francisco sorriu o encorajando. “Tudo bem, por que você não me mostra exatamente como você fez isso. Vá em frente”. Chris abriu o zíper do detetive e esperou com expectativa pela próxima ação do policial.

“Bom menino, Chris, muito bem. O que o homem mascarado lhe disse a seguir?”

Chris olhou para mim em busca de segurança, então sorri e balancei a cabeça. “Bem, Senhor, ele me disse para… para…”

Det. Francisco pegou o rosto do meu filho nas mãozonas. “Está tudo bem, Chris, eu sei disso

é difícil para você. Mas você está fazendo um ótimo trabalho. Estou tendo muito a idéia vívida da técnica do homem mascarado, o que chamamos de seu ‘modus operandi’.”

“Esse é o ‘MO’ dele?” Chris interveio, feliz por reconhecer as conversas policiais na TV.

“Sim, é isso – então o que o homem disse para você fazer a seguir. Não precisa se preocupar envergonhado, você está ajudando a polícia.”

Chris engoliu em seco, nervoso. “Bem, hum, senhor, ele… disse para… tirar o pauzão do meu papai, hum, pra fora de suas calças.” Chris lambeu os lábios carnudos enquanto observava a reação do policial.

“Bem, então, faça o que você fez ontem. Não tenha medo, eu sou um profissional.” Os dedos delicados do meu filho abriram caminho até o Detetive Francisco e puxou o cacetão duro e latejante do policial, já se firmando quando as mãos de Chris o libertaram das roupas do homem.

“Bom trabalho, Chris. O que você teve que fazer a seguir?” o detetive insistiu.

“Hum, eu tive que… chupar”

O detetive sorriu amplamente. “Não é surpresa, Chris, descobrirmos que as pessoas como estas, muitas vezes gostam de degradar suas vítimas antes de seguirem seu caminho maligno

com eles. Vá em frente e faça o que você fez ontem, seu pai não ficará triste. Isso ajudará na minha investigação.”

Depois de outro rápido olhar para mim, Chris se guiou cuidadosamente na direção de Francisco. O cabeção largo do piruzão grosso na boca, seus lábios carnudos de rubi fechando-se sobre a maçaneta lisa. Meu filho começou a mover a cabeça para cima e para baixo, estimulando o cacetão rígido do detetive. Francisco gemeu quando a boquinha quente do meu filho acariciou sua vara rígida.

“Papai também fez esse barulho”, aconselhou Chris, tirando a boca do cacetão gigante de Francisco por um momento.

“Excelente, então isso faz com que seja uma melhor reconstrução do que aconteceu, hein?” Francisco concordou, puxando a cabeça de Chris de volta para seu piruzão. Chris retomou suas funções enquanto Francisco segurava sua cabeça enterrando até a gargantinha dele, gemendo alto enquanto meu garoto o chupava esfomeado.

“Oooooooohh, siiiiiiiiim siiiiiim uuuuunnnnngh você está fazendo um bom trabalho, garotø, um trabalho muuuuuuuuuuuito bom. Estou tendo um verdadeiro sentindo pelo que aconteceu aqui ontem à noite. Iiiiisso garooooto… continuuuuuuuua… Assiiiiiiiiiim… O que aconteceu depois?” Francisco perguntou, entre gemidos.

A boquinha de Chris liberou o caralhão gigantesco molhado de Francisco, para que ele pudesse falar. Lambendo seus lábios carnudos, meu filho explicou o próximo ato do nosso drama doméstico. “Bem, er, o homem, o intruso, ele, uh, ficou atrás de mim, desabotoou meu short e puxou- para baixo” Chris respondeu antes de fechar os lábios carnudos novamente sobre o cacetão grossão de Francisco novamente.

“Aaaaaaaah, ok então, filho, bem, está tudo bem se o seu pai fizer o papel do intruso? Só para eu ver com meus próprios olhos, tipo uma reconstituição, sabe? Será muito valioso para minha investigação.” Chris levantou a cabeça e desceu até as enormes bolas peludas de acordo, fazendo Francisco estremecer de prazer. Eu joguei uma almofada no chão para me ajoelhar e afastei as pernas do meu filho, colocando a almofada entre elas. Chegando ao redor, eu desabotoei seu short e arrastei até os quadris, levantando cada uma das pernas para pegar as roupas completamente, assim como ouvi Bill fazer no dia anterior.

Francisco levantou a cabeça de Chris do seu piruzão latejante e segurou seu rosto com as duas mãozonas, travando os olhos com ele. “Você está indo muito bem, Chris”, ele assegurou ao meu filho. “O que o intruso fez a seguir?”

Chris olhou para o rosto do detetive Francisco e corou ao admitir que o intruso agarrou suas bolinhas. “Mas eu disse tudo isso ao papai, ele deveria lembrar-se”, acrescentou.

“Então, está tudo bem se o seu pai fizer o papel um pouco mais, pelo que você contou ele, para que eu possa ver por mim mesmo o que realmente aconteceu?” Francisco perguntou gentilmente.

“Tudo bem”, Chris concordou prontamente. “Eu ainda estava chupando avidamente quando ele, uh, fez isso com meu, uh, buraquinho”, explicou meu filho.

“Certo, então é melhor deixarmos exatamente como estava”, Francisco advertiu. Chris colocou a boca carnuda e garganta de volta no cacetão duro de Francisco, enquanto desabotoei minhas calças e joguei meu caralhão monstruoso e arrombador de 20 centímetros nas nádegas do meu filho. Ele mexeu um pouco a bundinha, até que a cabeçona indigesta do meu caralhão monstruoso estava aninhada entre os pães e cutucando o botãozinho bicudinho de rosa, então ele empurrou para trás, lentamente empalando-se na minha barra gigantesca de ferro.

Eu pude ouvir um gemido baixo e manhoso do meu filho, enquanto ele forçava sua bundinha de volta para o meu quadril, chupando meu nervão gigantesco de cavalão dentro das suas entranhas aveludadas. Meus dois braços estavam em volta da cintura dele, uma mãozona nas bolinhas, a outra acariciando seu pequeno piruzinho. Quando eu esfreguei meu polegar sobre seu cabeçote miúdo, ele começou a balançar os quadris, ordenhando meu nervão latejante com os músculos de suas paredes internas. Olhei para o rosto de Francisco – seus olhos estavam bem fechados, enquanto ele flexionava os quadris e forçava seu nervão na gargantinha apertadinha do meu filho. Essa visão foi suficiente para mim – eu gozei como um cavalão garanhão no Cio naquele momento, forçando sete explosões da minha porra gosmenta e fervente nas entranhas arrombada do meu filho. Me ouvindo explodir e gemendo como um animal selvagem, Francisco vomitou jatos fartos de esperma cremoso na boca de Chris, gemendo alto ao fazê-lo.

“Oooooooh, uau, siiiiiiiiim, puta meeeeeeeeerda oooooooooh Chris, ótimo trabalho, você é um verdadeiro chupador… Que deliiiiiiiiciiiiaaaa oooooooooh” ele ofegou enquanto Chris cuidadosamente tirou a boca esporrada da ferramenta do detetive e enxugou os lábios carnudos com as costas da mãozinha. “Então”, concluiu Francisco, fechando o zíper das calças, “foi assim que aconteceu, hein?”

“Sim, senhor”, concordou Chris, ainda ajoelhado, vestindo apenas a camisa. Eu ajudei ele a se levantar e apertou a mãozona do oficial.

“Entrarei em contato. Você me deu ótimas informações para continuar”, Francisco comentou enquanto se dirigia para a porta.

“Você se saiu muito bem, filho. Há algo que você gostaria de fazer agora?” Eu perguntei ao meu meninø fofo, enquanto fechei minhas próprias calças.

Chris deu um pequeno sorriso. “Acho que preciso de um banho de novo, papai.”

“Banho, é isso!” Eu concordei. Peguei meu filho e levei até o banheiro, deixando o short no chão de onde ele havia saído deles. Quando chegamos ao banheiro, tirei a camisa dele pela cabeça,

deixando ele nu. Ele observou enquanto eu puxava minha camisa pela cabeça e desabotoei minhas calças.

“O que você está fazendo, papai? Você… vai tomar banho comigo?” ele perguntou. Eu podia ouvir a expectativa esperançosa em sua voz.

“Bem, filho”, pensei enquanto tirava minha última roupa restante, “a última vez que te dei banho acabei tão molhado que achei que poderia muito bem ter um ao mesmo tempo. Além disso” fiz uma pausa, baixando a voz “meu pauzão tá um um pouco… Melecado… do seu traseiro, e precisa de uma lavagem”.

“Posso… lavá-lo, papai?” Chris perguntou timidamente. “Quero dizer, é justo, você lavou o meu buraquinho ontem”. Ele entrou na banheira enquanto a água girava ao redor e a espuma floresceu.

“Acho que seria… legal, filho, obrigado”, concordei, encantado. “Ser cuidado com ele, não é?”

Chris sorriu enquanto se sentava na água quente com sabão. “Oh, sim, papai, eu vou. Coloque suas pernas de cada lado de mim para que possamos caber”. Eu segui a ordem do filho, minhas coxas musculosas agora cercando a cintura do meu filho. Eu me deitei contra a extremidade inclinada da banheira, enquanto meu filho ensaboava cuidadosamente meu caralhão monstruoso, o que ainda estava meio duro de seus esforços anteriores. Seu toque era gentil, mas completo e parecia magnífico. Fechei os olhos e suspirei profundamente, não me importando.

“Papaaaaaaaai” Chris sussurrou, “você está acordaaaaaado?” Ele segurou meu caralhão envergado e latejante com as duas mãozinhas, ainda lavando lentamente com um movimento familiar para cima e para baixo.

“Mm-hmm” murmurei em resposta.

“Acho que ele está todo limpo agora, papaaaai. Posso… dar um abraço em você?”

“Mm-hmm” murmurei novamente, muito relaxado e em paz para pensar em uma solução melhor para responder. Ouvi Chris dar uma risadinha enquanto se contorcia para subir pelo meu corpão, se acomodando em meu peitoral peludão, pressionando nossos paus entre nossas barrigas. Ele está no limite ainda mais, seus antebraços agora apoiados em meus ombros, sua cabeça ao lado da minha. Seus joelhinhos montaram em meu peitoral musculoso. Eu podia sentir seu hálito quente na minha orelha, enquanto meu filho se contorcia em cima de mim.

“Papaaaaaaaai… sua coisa ta toda escorregadia… e muito, muuuuuuuito duro. Ele é… muito boooooooom” Chris sussurrou em meu ouvido. Ele estendeu a mãozinha por trás das suas costas, com uma mãozinha segurando a base extremamente grossa e dura, e apontou meu tesão de nervo latejante diretamente para seu buraquinho apertado, molhado e escorregadio, então desceu seu corpinho, deslizando pelo meu peitoral peludão enquanto ele

empalou-se no meu caralhão gigantesco. Isso me acordou, posso te garantir.

“Huuuuuuuuuuum…. Que deliiiiiiiiciiiiaaaa filhote…. Issoooo oooooooohhh” foi minha resposta altamente inteligente e lúcida à sua sedução.

Chris puxou o corpinho fofo para cima com os braços, depois se abaixou novamente, deslizando no meu peitoral peludão cheio de espuma e ordenhando meu caralhão arrombador com seus músculos internos, ainda por cima. “Papaaaaaaaaaaaai”, ele respirou no meu ouvido: “Podemos jogar o jogo do intruso com o tio Bill novamente um dia?”

Agora eu estava totalmente acordado. “O q-quê-?” foi tudo que consegui fazer enquanto Chris montava como uma vadiasinha no Cio em meu piruzão gigantesco.

“Aaaiiiiiimmmm papaaaaai…. E depois, podemos jogar o jogo de detetive com o tio Francisco de novo?” ele arrulhou em meu ouvido, gemendo manhoso.

“Intr-…Detet- o que-…hein?” foram os únicos sons que consegui fazer, quando meu filho

acelerou o ritmo do trote para o galope FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP A água começou a espirrar sobre as laterais da banheira. Quem se importava, era para isso que serviam os buracos de drenagem FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP

“OOOOOOOH DEEEEEEUS UUURRGHH COMO… ER, COMO VOCÊ SABIA QUE ERA BILL?” Eu engasguei quando me aproximei do meu segundo clímax dentro de uma hora FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP….

“Oooooooh Papaaaaaaaaai… aaaiiiiiimmmm que deliiiiiiiiciiiiaaaa de pauzão grooooooooosso oooooooh…. Eu olhei nos olhos dele, papaaaaaai. Isso foi tudo que pude ver, com sua máscara e todos. Lembrei deles daquela época em que fui ao seu trabalho com você”, Chris explicou, mantendo seu movimento frenéticos e fortes no meu caralhão arrombador FLOPFLOPFLOPFLOPFLOPFLOPFLOPFLOPFLOPFLOP

“Oooooooooooh meeeeeeeeerda oooooooooh…. Foi trabalhar comigo?” Eu papagueei estupidamente. “Oooooooooooh Deeeeeeeus Aaaaaaaaaaaaahh Mas, isso foi ano passaaaaaaaaaado!” FLOPFLOPFLOPFLOPFLOPFLOPFLOPFLOPFLOPFLOPFLOPF

“Uh huh”, Chris respondeu, acelerando o ritmo, como um jóquei em disparada. “Oooooooooooh Deeeeeeeus Aaaaaaaaaaaaahh Lembro de ver o tio Francisco lá também, papaaaaaaaaai. Ele me deu um donut e bagunçou meu cabelo… Tô tããããão cheio de piruzão no cuziiiiiinho aaaiiiiiimmmm papaaaaaai” FLOPFLOPFLOPFLOPFLOPFLOPFLOPFLOPFLOPFLOP

Tive dificuldade em manter a compostura, enquanto o furinguinho sedento do meu filho subia e

no meu caralhão monstruoso freneticamente FLOP FLOP FLOPFLOPFLOPFLOPFLOPF ” Puta meeeeeeeeerda filhoooooooote, issoooo assiiiiiiiiiim… Então… então você sabia o tempo toooooooodo, não… uurrggh… não é, querido”, eu grunhi quando me aproximei do meu clímax.

Chris assentiu. “Oooooohhhhh Deeeeeeeus Siiiiiiim siiiiiim simplesmente siiiiiiiiim…. Foi um jogo divertido, papaaaaaaaaaai. Adoreeeeeeeei. Então… quando é que a mamãe vai visitar a titia de noooooovo?” FLOPFLOPFLOPFLOPFLOPFLOPFLOPFLOPFLOPFLOP ele sussurrou enquanto seu ânus apertava descontroladamente e uma explosão emocionante de orgasmo e esperma jorrou pra fora de mim.

“OOOOOOHHHHH DEEEEEEEUS OOOOOOOH TOMA MEU ESPEEEEERMA GROOOOSSOOO NESSE CUZIIIIIIIIINHO OOOOOOOOOOOH SIIIIIIIIIIIM ASSIIIIIIIIIIM FILHOOOOOOOOTE… VAMOS SIIIIIIIIIM NOS AMAR PARA SEEEEMPRE E COM MEUS DOIS AMIGOS POOOOOORRA… UUUURRGH…”

🔥🔥🔥🔥🔥🔥🔥🔥🔥fim🔥🔥🔥🔥🔥🔥🔥🔥🔥🔥

ESPERO QUE GOSTEM E GOZEM BASTANTE MEUS PUTOS 🙌🏻🙏🏻🔥😈🏳️‍🌈😉 COMENTÁRIOS SÃO BEM VINDOS!!!!!!!!!

Load More Related Articles
Load More By admin
Load More In Contos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Check Also

HOTBOYS – Rola Pra Jogo! – Delsinho e Kaik

Delsinho liberou sua casa para seu vizinho Kaik assistir o jogo de futebol do seu time, ma…